Subscribe:

Pages

domingo, 14 de março de 2010

NOBRE SILÊNCIO (?)



O mês era setembro, já era a penúltima semana do mês. As flores da primavera já mostravam sua máxima beleza. Eu gostava de ficar sentado ao lado de uma árvore observando a beleza deste período do ano – os pássaros cantando, as formigas trabalhando organizadamente, as pessoas com seus semblantes mais felizes, a leveza do vento, as borboletas com as mais variadas e belas cores em suas asas voando tão próximas de mim a ponto de pousarem em meu dedo, entre outras coisas. Havia uma árvore próxima a minha casa que, a meu ver, era a mais bela de todas e por isso era de baixo de sua sombra que eu gostava de passar as tardes, ora lendo, ora escrevendo, ou mesmo não fazendo nada!

Porém, talvez o que eu mais goste deste mês é o fato de que foi nele que uma das criaturas mais belas que já conheci nasceu. Não sei se a primavera a deixa mais bela ou é ela que faz da primavera uma estação tão especial para mim. E foi nesta estação do ano que percebi o quanto estava ligado a ela.

O fato é que nunca falei o quanto ela significa e talvez eu nunca fale. Sempre que a vejo os sintomas são inevitáveis: meu coração acelera e tenho a sensação de que ele vai saltar pela boca, minhas mãos suam e tenho a impressão de que minhas pernas perdem levemente a firmeza, meus olhos dilatam e brilham, tento disfarçar não olhando fixamente para ela, mas meus olhos me traem e não me obedecem.

Não nos vemos e tampouco nos falamos freqüentemente. Meus amigos me perguntam como é possível, por que eu gosto tanto de alguém que passo tanto tempo sem nenhum contato.

Já pensei em diversas respostas e a verdade é que não há resposta. Quem pode explicar como os sentimentos surgem e como conseguem permanecer?

Mas se eu fosse arriscar um palpite, eu diria que isso se deve a ela. Ela é o tipo de pessoa que você passa um curto período de tempo e já quer transformar este momento em eterno, ela passa a ser tão freqüente no imaginário que, mesmo nos dias que está ausente, ela ainda sim parece presente! Ela vem de maneira tão suave, tão leve, tão doce, tão natural que não é possível perceber o processo, apenas o resultado do seu jeito gentil de ser!

Alguns já me perguntaram por que hesito tanto. E eu invento que é por que... Por que... Por que não é o momento certo, por que não quero assustá-la, por que estou me aproximando aos poucos...

A verdade mesmo é que tenho receio, e não sei quando e nem como ele se instalou, mas ele está tão fincado que já é capaz de bloquear minhas palavras e ações e sempre que aparece a oportunidade eu permaneço inerte enquanto ela se esvai entre meus dedos!

A verdade é que tenho medo de afastá-la de mim, de perder o bom relacionamento que estabelecemos, de perder a nossa amizade. Tenho medo de dizer o que sinto, tenho medo do que possa acontecer. Sei que é um medo tão tolo que chego a sentir embaraço por tê-lo!

Sei que talvez o silêncio não seja a melhor atitude, mas, por hora, me parece ser a única opção!

Enquanto isso, meus mais sinceros sentimentos estarão guardados no mais profundo nobre silêncio. Aliás, será mesmo nobre?



--------------------------------------------------
Outro dia a Alanna postou um poema e na ocasião eu brinquei dizendo que qualquer dia eu postaria uma prosa. Bom, depois de um tempo considerável consegui escrever uma. Espero que gostem!

P.S: As idéias contidas no texto não representam necessariamente a opinião do autor, (eu sempre quis dizer isso! rsrsrs) ou talvez representem. Quem sabe? kkkkkk

4 comentários:

SolBarreto disse...

Calar um sentimento assim por medo de perder a amizade? Mas afinal a amizade nao é tambem um tipo de amor?
Mas a verade e que sei bem o que é viver esse dilema, ja o vivi e assim como o texto preferi me calar...Mas descobri depois que foi um tempo perdido...Deixei de viver bons momentos por medo de falar, medo de perder...Mas afinal perder o que? Se amizade é sincera ela supera a diferença, se caso existir a diferença de sentimentos... Porque as vezes ela nem mesmo existe...

Renata Chiletto disse...

Eu gostei da prosa.

Talvez devesse tentar entender o sentimento dela, não acha?
Veja o q ela sente e tente entender, assim vcs terão um melhor relacionamento.

^^

Alanna disse...

eu tinha esquecido que não tinha comentado esse texto o.O

mas eu já falei pro moisés o que eu achei dele, então pronto. ^.^

Vivi.com disse...

"Enquanto isso, meus mais sinceros sentimentos estarão guardados no mais profundo nobre silêncio. Aliás, será mesmo nobre?"

Em resposta...rsrsrs

O nobre silêncio deixa de ser nobre quando por trás dele existem milhões de belas palavras que poderiam ser aproveitadas para transformas palavras jogadas ao vento em um verdadeiro e profundo nobre silêncio.

Postar um comentário